/home/crp03/public_html/wp-content/themes/crp-03/single.php
Início  →  Novas Aquisições  →  Feminicídio e psicanálise: uma questão atual

Feminicídio e psicanálise: uma questão atual

Feminicídio e psicanálise: uma questão atual

Feminicídio e psicanálise: uma questão atual

Autora

Artesã

Publicação

2019

Páginas

140

Disponibilidade

Disponível na Biblioteca CRP-03

Forma de Aquisição

Doação

Instituição

Editora Artesã

Descrição:

Resumo:

Feminicídio e psicanálise – uma questão atual, é uma leitura do rasgo. Sendo mulher, experimentar esse encontro foi lançar-me à costura daquilo que dói, quando ressalta ao toque. Da letra. Do autoral. Do ato. Ao receber o convite para escrever sobre este livro, eu sabia que o caminho das palavras me faria sentir estranha – em casa. Pois o feminino reconhece os mantos que a violência encobre desde a nomeação da sua delicadeza e dos seus enigmas. Sob a égide de ser no feminino aquilo que escapa e aponta para o Real, dei início à leitura interessada na confirmação da impotência da mulher e nas estatísticas desses (des)acontecimentos da palavra no feminicídio. Pensei que ouviria o grito delas e o descaso deles. No entanto, o livro nos diz de um universo mudo para agressores e vítimas. Psicanálise e feminicídio circunscreve o amor e o ódio, de maneira a demonstrar que é na ambivalência que o sujeito sustenta sua relação amorosa. Ao percorrer pelo capítulo em que o autor aborda o conflito de amar e odiar, de amar e ser amado, de amar sendo indiferente ao desejo do outro de ser amado, percebi-me fazendo um percurso ruminante e sensorial, sendo inevitável a convocação para aproximarmos da morte. Da mulher aniquilada simbolicamente e que desaparece antes mesmo da eliminação do seu corpo. Do homem que, morto em seu luto pela presença insuportável da ausência, se faz vivo – do sangue dela. Marcell Santos, psicanalista implicado neste fazer, de quem eu tenho a alegria de ser colega, trabalha perguntas que não se resumem a ser respondidas: o que leva um homem a matar sua parceira? Se a raiz da agressão contra a mulher envolve a pulsão de morte, o lugar do analista enuncia a possibilidade de dizer sobre Isso? Enfim, parece-me que vão encontrar aqui um convite a pensar se a violência contra a mulher se inicia com o fim da história de amor e o que pode a psicanálise insistir diante dos protagonistas dessas histórias (agressor e vítima), sujeitos inseparáveis da sua constituição, formação e compromisso com seus sintomas.

Skip to content