/home/crp03/public_html/wp-content/themes/crp-03/single.php
Início  →  Notícias  →  08 de Outubro: Dia da/o Nordestina/o

08 de Outubro: Dia da/o Nordestina/o


Neste sábado (8), o Conselho Regional de Psicologia da Bahia (CRP-03) lembra o Dia da/o Nordestina/o. A data foi criada no estado de São Paulo, em 2009, mas se estendeu a todo o Brasil. E não é para menos. Os desafios e superações nordestinas marcam essa história.

Para muitos estudiosos, a região Nordeste foi abandonada em decorrência da transferência da capital federal para o Rio de Janeiro e da exploração nas Minas Gerais, durante o ciclo do ouro no país. Desde então, os efeitos vêm atravessando séculos.

Há iniciativas de reparação histórica, como a criação da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (SUDENE), em 1959, pelo então presidente Juscelino Kubitschek, e reativada estrategicamente em 2007, pelo nordestino e presidente Lula.

Mesmo com investimentos econômicos e políticas sociais e com a riqueza cultural que revigoraram a região, sobretudo nos últimos 20 anos, ficaram a xenofobia e o preconceito às pessoas do Nordeste – tanto a quem migra para outras regiões ou a quem aqui vive.

Nas eleições de 2022, com o acirramento das disputas ideológicas, infelizmente o Nordeste brasileiro tem sido vítima nacional de agressões sistemáticas pelas escolhas políticas que largamente está fazendo. O mesmo ocorreu no pleito eleitoral de 2018.

Por isso, a data de hoje marca a necessidade de consciência à violência ainda reiterada ao longo da história, sobretudo nas regiões Sul e Sudeste do nosso Brasil. As consequências dos estereótipos se materializam em desigualdades e perdas de direitos.

Em contrapartida, as/os nordestinos continuam se destacando na ampliação de universidades e institutos federais de educação; em inovação científica e tecnológica; na diversidade cultural; na arte e na música; na culinária; e no jeito de ser sua gente…

O CRP-03 é Nordestina/o. Traz marcas da nossa representatividade. Repudia toda e qualquer intolerância à diversidade. Tal é o legado de (r)existência, que o trabalho, a consciência política e seu povo tornam as/os nordestinas/os ainda mais fortes!

Skip to content