/home/crp03/public_html/wp-content/themes/crp-03/single.php
Início  →  Notícias  →  PELO BEM VIVER: Campanha de abril chama a atenção para o papel da Psicologia na promoção e prevenção em saúde mental dos povos indígenas

PELO BEM VIVER: Campanha de abril chama a atenção para o papel da Psicologia na promoção e prevenção em saúde mental dos povos indígenas

Para pautar e discutir as perspectivas éticas e políticas acerca da atuação das/os psicólogas/os no que diz respeito à atenção psicossocial aos povos originários, o Conselho Regional de Psicologia da Bahia realiza em abril a Campanha Psicólogas/os em movimento pelo bem viver dos povos indígenas.

O Conselho tem atuado para orientar psicólogas/os no que diz respeito à atenção psicossocial aos povos originários, discutindo temáticas sobre relações raciais, saúde mental e repercussões do racismo.

“A invisibilidade da população indígena é uma reprodução do racismo estrutural. Se a população indígena não entra nestes níveis de debates na nossa prática profissional, estamos então reproduzindo o racismo”, explica o coordenador da Comissão de Direitos Humanos do CRP-03, Washington Luan Gonçalves de Oliveira (CRP-03/18055).

O conselheiro lembra que existem dois potentes documentos para atuação de psicólogas/os no bem-viver dos povos indígenas. São eles:

“(1) O caderno do CREPOP intitulado Relações Raciais: Referências Técnicas para atuação de psicólogas/os, que é um importante instrumento norteador da prática profissional que vem para somar o nosso Código de Ética.
(2) Outra grande referência é a Política Nacional de Atenção à Saúde dos Povos Indígenas que é uma importância referência complementar ao nosso SUS, que serve de norte/direção para gestoras/es públicas/os federais, estaduais e municipais e para nós psicólogas/os como um modelo complementar e diferenciado de organização dos serviços – voltados para a proteção, promoção e recuperação da saúde dos povos indígenas”, destaca o conselheiro.

Indígenas e perspectivas da atuação em Psicologia na pandemia

No Brasil, desde o primeiro caso de coronavírus confirmado, 630 indígenas morreram vítimas de COVID-19. Até 31 de março deste ano, já são 45960 casos confirmados da doença. Os dados são do Boletim Epidemiológico da Secretaria Especial de Saúde Indígena (SESAI).

Frente ao agravo da pandemia de COVID-19, que interfere drasticamente no bem viver e na organização social destes povos, o CRP-03 chama a atenção para o papel da Psicologia, considerando as interseccionalidades.

“Primeiramente é importante ter uma estratégia técnica e metodológica para atuação. Reconhecer que além da COVID-19, os povos indígenas sofrem repercussões do racismo ambiental no nosso país. Para a execução destas ações contamos com os Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEIs), que são importantes instrumentos para o cuidado na saúde integral dos povos indígenas, na qual a saúde mental está inserida. A Psicologia, então, assume um papel central na promoção e prevenção em saúde mental, tendo sempre consciência ética e política de que cada comunidade indígena é completamente singular”, alerta o coordenador da Comissão de Direitos Humanos.

Neste sentido, é imprescindível compreender a importância da diversidade dos povos indígenas. A Bahia, por exemplo, tem a terceira maior população indígena declarada do país, com 56.381 pessoas, segundo o último Censo Demográfico do IGBE, de 2010. Em 2016, o estado contava com 22 povos mapeados e mais um que reivindicava reconhecimento. São eles: Pataxó, Pataxó Hãhãhãe, Tupinambá, Tumbalálá, Kiriri, Tuxá, Atikun e Fulni-ô, Payaya e Kariri-Xocó-Fulni-ô, Kaimbé e Kapinawá, Kantaruré e Potiguara, Pankararé e Pankararu, Pankaru e Xacriabá, Truká e Tapuia, Xukuru-Kariri e Kambiwá.

Lives da Campanha
Dentro da série de ações previstas para o mês de abril, a CDH realiza nos dias 19 e 26 de abril, lives sobre o tema. A transmissão ocorrerá pelo Youtube (CRP03Videos), sendo de livre participação, com inscrições e certificados gratuitos.

Confira a programação com respectivo link de inscrição:

Data: 19/04/2021 (segunda-feira), às 19h
Saúde integral e interculturalidade no bem-viver dos povos indígenas
Link de inscrição: https://doity.com.br/saude-integral-e-interculturalidade-no-bem-viver-dos-povos-indigenas/inscricao

Data: 26/04/2021 (segunda-feira), às 19h
Saúde mental e Direitos Humanos das populações indígenas
Link de inscrição: https://doity.com.br/saude-mental-e-direitos-humanos-das-populacoes-indigenas/inscricao

 

Skip to content