/home/crp03/public_html/wp-content/themes/crp-03-2023/single.php

Mulher negra psicóloga é tema de evento no CRP-03

Publicado em 03 agosto de 2016 às 19:58

Mulher negra psicóloga é tema de evento no CRP-03

Exclusão, feminismo e racismo foram alguns dos assuntos discutidos durante o evento “A mulher negra Psicóloga: Desafios da Prática Profissional”, realizado na última sexta-feira (29), no auditório do Conselho. Organizada pelo Grupo de Trabalho de Psicologia e Relações Raciais, a atividade reuniu profissionais e estudantes para lembrar o dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha, comemorado em 25 de julho. As psicólogas Gabriela Silva, Maitê Lourenço e Veridiana Machado participaram como convidadas da mesa.

Maitê Lourenço chamou atenção para o distanciamento da formação de Psicologia em relação à temática das relações raciais. A psicóloga também lembrou a sua experiência de trabalho em recrutamento e seleção: “Me deparei muito com os gestores se recusando a atender pessoas negras, mesmo eu sendo a selecionadora. Existia um contexto de discriminação, muitas vezes silenciado”. Além disso, a convidada também chamou atenção para o número pequeno de mulheres negras dentro das grandes organizações e de como levar esse tema para dentro das empresas. 

A trajetória de vida norteou a fala de Veridiana Machado. De acordo com a psicóloga, a adolescência foi o momento de perceber a exclusão, a falta de visibilidade e a reprodução do machismo pela sociedade. Para Veridiana, o maior desafio da Psicologia é possuir um olhar especifico para a construção da subjetividade da mulher, de um modo geral, com recorte para a mulher negra. “É necessário compreender que a mulher negra vem de outras experiências e a Psicologia precisa se debruçar sobre isso”, disse a palestrante.

A participação em movimentos sociais durante a graduação foi fundamental para Gabriela Silva se reconhecer enquanto mulher negra. Segundo a militante, as mulheres negras e pesquisadoras dentro da Psicologia têm a tarefa e o desafio de apontar o racismo como estrutural. “A Psicologia deve enxergar também o racismo como produtor de sofrimento e um dos principais determinantes da construção da subjetividade e da identidade da população negra”, pontuou Gabriela.

Compartilhe este conteúdo nas redes

Mais Posts

Dia da/o Trabalhadora/r Rural

Criado pela Lei Nº 4.338, de 1º de junho de 1964, o Dia da/o Trabalhadora/r Rural foi instituído em homenagem […]

CRP-03 manifesta reconhecimento à psicóloga Alessandra Santos de Almeida (CRP-03/3642)

O Conselho Regional de Psicologia da Bahia (CRP-03) vem a público demonstrar reconhecimento pelo papel da psicóloga baiana Alessandra Santos […]

Reunião Ampliada da Comissão de Saúde do CRP-03

A Comissão de Saúde do Conselho Regional de Psicologia da Bahia (COMSAUDE/CRP-03) promoverá uma reunião ampliada no dia 03 de […]

Assine nossa news

Faça o seu cadastro agora e receba o boletim
eletrônico do CRP-03 em seu e-mail.

Pular para o conteúdo